quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

PARLAMENTO SEM TRANSMISSÃO ONLINE DAS SESSÕES


Se é o povo que paga a Assembleia, logo, a transmissão constitui um seu direito. O povo não pode dispor, apenas, em efetivo direto, das cerimónias do dia 01 de Julho, da responsabilidade da RTP, onde só o poder fala, os intermináveis discursos da tomada de posse do governo ou, aquelas duas horas de discurso do presidente do governo no final dos trabalhos anuais do Plano e Orçamento. A transparência e a divulgação do que está a acontecer, em tempo real, no parlamento, em função da tecnologia existente e dos investimentos realizados, constituem um direito de quem deseja acompanhar os momentos políticos. Aqui e em qualquer parte do Mundo. Negar essa possibilidade arrasta consigo o peso da desconfiança e o medo que todos saibam o que se passa no hemiciclo.

Procuro o sítio da internet da Assembleia Legislativa dos Açores e verifico que a próxima sessão está marcada para o dia 24 de Janeiro, às 10 horas, com transmissão online. Na Madeira, a Assembleia Legislativa, desconheço as razões, há muito que não coloca no ar as imagens do plenário.
Compreendeu-se, até certo ponto, que durante a permanência, no Tecnopólo, por razões de obras de beneficiação e restauro do edifício sede, que a transmissão das sessões não tivesse sido possível. Repito, compreendeu-se, até certo ponto, porém, com novos equipamentos instalados, com o investimento que foi realizado, pergunta-se, o que obsta a que a transmissão online não seja feita? Durante algum tempo, a transmissão registava uma decalagem de alguns minutos entre o que se estava a passar em tempo real e aquilo que o espetador assistia. Uma situação que nunca foi devidamente esclarecida, mas que, dizia-se, possibilitava cortar a emissão aquando de situações desagradáveis como as que ontem se registaram. Do meu ponto de vista essa decalagem não se justifica e se assim foi decidida, demonstra, inequivocamente, a reserva mental dos decisores em função do quadro político em que mergulhou a Assembleia. Se é o povo que paga a Assembleia, logo, a transmissão constitui um seu direito. O povo não pode dispor, apenas, em efetivo direto, das cerimónias do dia 01 de Julho, da responsabilidade da RTP, onde só o poder fala, os intermináveis discursos da tomada de posse do governo ou, aquelas duas horas de discurso do presidente do governo no final dos trabalhos anuais do Plano e Orçamento. A transparência e a divulgação do que está a acontecer, em tempo real, no parlamento, em função da tecnologia existente e dos investimentos realizados, constituem um direito de quem deseja acompanhar os momentos políticos. Aqui e em qualquer parte do Mundo. Negar essa possibilidade arrasta consigo o peso da desconfiança, o medo que todos saibam o que se passa no hemiciclo. Hoje, é preciso estar colado ao online do DIÁRIO para acompanhar, em síntese, os debates e as votações dos deputados. Quem não deve não teme, todavia, o que passa para o exterior é que a maioria política deve e teme!
Ilustração: Google Imagens.
NOTA:
Os insultos desta manhã no Parlamento demonstram, inequivocamente, as razões que levam a maioria e a própria Mesa da Assembleia a não transmitirem online as sessões. O mínimo que o Deputado Edgar Silva ouviu foi a palavra "chulo"! (DN-online)

1 comentário:

António Trancoso disse...

Caro André Escórcio
De admirar seria que o fascismo "democrático" fizesse concessões.