terça-feira, 19 de junho de 2012

CONCENTRE-SE, SENHOR SECRETÁRIO!


Está "concentrado" em quê, quando ele é apenas o topo de uma pirâmide e de uma máquina que tem as suas rotinas? Ora, com aquela resposta aos jornalistas, o secretário denunciou que o problema sendo grave não o quer discutir por agora, isto é, porque "enquanto o pau vai e volta folgam as costas". Mas também explica que o secretário, politicamente, não quer ter a matéria da governação na ponta da língua. Toda a sua equipa, certamente, que já lhe apresentou os resumos da matéria, só que, politicamente, repito, são evidentes as notórias dificuldades em explicar o que está a acontecer nos sectores face aos quais tem responsabilidades. Fugiu, adiou as respostas, colocou-se numa posição de logo se verá perante o caso consumado. Não assumiu a dimensão dos vários dossiês com frontalidade, preferindo apagar o quadro dos problemas com uma velha e conhecida esponja embebida em um "concentrado" de amnésia sindical.

Diz o Secretário Regional da Educação e dos Recursos Humanos que, por agora, está "concentrado" nos exames e que, depois desta fase, então sim, abordará a questão do encerramento de escolas e do concomitante despedimento de educadores e professores. Que estranho secretário! Admitiria eu, com uma certa dose de humor, que essa fosse a posição de alguém sujeito às preocupações dos exames, de ter de saber na ponta da língua as matérias em avaliação, de se encontrar cansado por algumas directas fruto de não ter estudado ao longo do ano, mas nunca de um governante. Até porque há uma estrutura própria que conduz à realização dos exames desde o nível regional, ao nível de estabelecimento de ensino e ao nível dos correctores e respectiva supervisão. Por isso, está "concentrado" em quê, quando ele é apenas o topo de uma pirâmide e de uma máquina que tem as suas rotinas? Ora, com aquela resposta aos jornalistas, o secretário denunciou que o problema sendo grave não o quer discutir por agora, isto é, porque "enquanto o pau vai e volta folgam as costas". Mas também explica que o secretário, politicamente, não quer ter a matéria da governação na ponta da língua. Toda a sua equipa, certamente, que já lhe apresentou os resumos da matéria, só que, politicamente, repito, são evidentes as notórias dificuldades em explicar o que está a acontecer nos sectores face aos quais tem responsabilidades. Fugiu, adiou as respostas, colocou-se numa posição de logo se verá perante o caso consumado. Não assumiu a dimensão dos vários dossiês com frontalidade, preferindo apagar o quadro dos problemas com uma velha e conhecida esponja embebida em um "concentrado" de amnésia sindical.
É evidente que, enquanto governante, tem os resumos feitos, sabe o que vai acontecer. De uma estimativa inicial de menos 80 turmas, já lá vão 120 ou mais; ele sabe quantos docentes vão para o desemprego; ele conhece as causas do que está a acontecer com o encerramento de escolas; certamente dominará o volume de dívidas por todo o lado, desde o sector educativo ao desportivo; sabe que tem mais de seis milhões de dívidas aos professores; sabe que falta um pouco de tudo nos estabelecimentos de ensino que coloca em causa os projectos educativos; não sei se sabe, mas concedo o benefício da dúvida, que a estrutura da rede educativa tem de ser reconvertida. É natural que já lhe tenha passado pela cabeça que esta Escola é uma Escola que não dá resposta aos problemas do presente nem do futuro, mas ninguém consegue perceber onde quer chegar com o seu projecto, se o tem! E, sendo assim, embora com a a casa das máquinas alagada e com uma sensação de que o naufrágio é iminente, o que mais que consegue dar a entender é que se "concentra" em mandar água para fora numa desesperada tentativa de navegação. Navegação esta que se sempre foi à vista, hoje, face às circunstâncias, dificilmente o leva a compreender a importância dos instrumentos. "Concentre-se" senhor secretário!
Ilustração: Google imagens.

3 comentários:

jorge figueira disse...

É um jogo de circunferências concêntricas. A de maior diâmetro é do pres.segue-se finanças e por aí fora. O "diacho" é que no centro não pilim...

Fernando Vouga disse...

Caro André Escórcio

O rapaz está há pouco tempo no GR, mas já lhe apanhou as manhas todas.

João André Escórcio disse...

Obrigado pelos vossos comentários.
Pois, uma questão de circunferências concêntricas, tipo "matrioshka" ou boneca russa. Estão todos lá dentro. E com estão uns encaixados nos outros, facilmente apanham as manhas.