segunda-feira, 10 de setembro de 2012

GUARDADO ESTÁ O SEU BOCADO


À escala internacional os diversos povos estão sob o jugo, a obediência a uma máfia organizada, os tais de colarinho branco, que determinam desde em quem votar ao que comer! Não nos podemos esquecer que "os senhores da aldeia global têm a sua própria agenda política e resistem a quaisquer mudanças económicas e sociais que não se ajustem aos seus interesses financeiros", sintetiza Ben Baddikian. E sendo assim, Pedro Passos Coelho, no quadro da sua ambição pessoal, pouco ralado está com as consequências internas das suas políticas, pois guardado está o seu bocado. Não me consta que ele seja surdo ao ponto de não escutar as vozes da generalidade dos especialistas em economia e finanças, de outros comentadores e parceiros sociais; e não me consta que tenha alguma deficiência visual que não lhe possibilite ver e interpretar os sinais de crescente pobreza. Ele é, apenas, uma correia de transmissão. Ele domina, sabe de onde vem, para onde vai e a quem tem de obedecer. Um dia sairá deste lugar que, circunstancialmente, ocupa, e será reconhecido pelos "serviços prestados". Tal como aconteceu com Durão Barroso (...).
 
O Professor de Direito e comentador da TVI Marcelo Rebelo de Sousa acusou ontem Pedro Passos Coelho de ser um primeiro-ministro "impreparado" e de ter feito um discurso ao país "no mínimo descuidado e no máximo desastroso". Ora, do meu ponto de vista não se trata nem de "impreparação" nem de "descuido", antes um enraizado posicionamento ideológico ao serviço de uma agenda dos poderes sem rosto. Ele é, apenas, uma correia de transmissão. Ele domina, sabe de onde vem, para onde vai e a quem tem de obedecer. Um dia sairá deste lugar que, circunstancialmente, ocupa, e será reconhecido pelos "serviços prestados". Tal como aconteceu com Durão Barroso, por outros motivos, quando abriu as portas dos Açores à cimeira que determinou a invasão do Iraque. A este propósito, Daniel Estulin, que investiga há cerca de dezasseis anos o Clube de Bilderberg, fala dos portugueses que têm participado nas suas reuniões e da influência de Bilderberg na escolha de Durão Barroso para presidente da Comissão Europeia. José Manuel Durão Barroso é tido - nas altas esferas da governação europeia e mundial - como o perfeito instrumento do Clube Bilderberg. Estulin diz que as suas fontes lhe confirmaram que Henry Kissinger, um membro permanente de Bilderberg, terá dito o seguinte sobre Durão: é "indiscutivelmente o pior primeiro-ministro na recente história política. Mas será o nosso homem na Europa". Está tudo dito, sendo este um exemplo entre tantos outros.À escala internacional os diversos povos estão, portanto, sob o jugo, a obediência a uma máfia organizada, os tais de colarinho branco, que determinam desde em quem votar ao que comer! Não nos podemos esquecer que "os senhores da aldeia global têm a sua própria agenda política e resistem a quaisquer mudanças económicas e sociais que não se ajustem aos seus interesses financeiros", sintetiza Ben Baddikian. E sendo assim, Pedro Passos Coelho, no quadro da sua ambição pessoal, pouco ralado está com as consequências internas das suas políticas, pois guardado está o seu bocado. Não me consta que ele seja surdo ao ponto de não escutar as vozes da generalidade dos especialistas em economia e finanças, de outros comentadores e parceiros sociais; e não me consta que tenha alguma deficiência visual que não lhe possibilite ver e interpretar os sinais de crescente pobreza. Não é crível que seja por uma questão de teimosia e que, displicentemente, esteja a borrifar-se para o Bispo das Forças Armadas, D. Januário Torgal Ferreira que assume que estas políticas são uma "vilania, uma insensibilidade, uma insensatez". Ele, Passos Coelho, ouve, vê e é capaz de sentir, só que os poderes aos quais se verga são determinantes na sua conduta. Regressando a Daniel Estulin deixo aqui o seu registo: "a teoria que mais se opõe à estratégia oficial diz que o Clube Bilderberg tem o propósito de criar um governo totalitário mundial". É esse poder que nos controlou e nos moldou, durante anos, com o discurso doce da facilidade e das oportunidades que conduziu os trabalhadores em geral a aplaudirem, sem conta darem que, subtilmente, estavam a ser enganados. E hoje, face a povos destroçados, os senhores do mundo, essa corja da direita insensível, impõe as regras devoradoras do que ainda resta. Portanto, Passos Coelho não é que seja "impreparado", antes é uma peça de uma máquina que sabe muito bem o que quer produzir. Rua!
Ilustração: Google Imagens.

2 comentários:

Fernando Vouga disse...

Caro André Escórcio

Já toda a gente percebeu que, independentemente das ideologias, em política só há dois discursos: o da governação e o da oposição.
Curiosamente, são os políticos da oposição que sabem governar. O que até nem é difícil, basta fazer o contrário da governação... Depois, se conseguem conquistar o poder, esquecem-se do que disseram e fazem o mesmo.
E será por isso que nada anda para a frente.

João André Escórcio disse...

Obrigado pelo seu comentário.
O problema é quando chegam ao poder e aí fazem o que nunca disseram. Tudo isto é muito complicado, pois os países estão hoje sob domínio económico, isto é, é a economia e as finanças que mandam nos políticos e não o contrário.