segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

D. TEODORO DE FARIA E O SECRETÁRIO DOS ASSUNTOS SOCIAIS


Este governo regional não tem vergonha na cara. O Secretário, em nome do governo, intencionalmente, esqueceu-se: em primeiro lugar, que todas as propostas, apresentadas na Assembleia Legislativa da Madeira, visando a dignificação da população idosa, foram chumbadas pela maioria PSD. Estou, entre muitas, a lembrar-me de uma contribuição regional de € 50,00 para todas as pensões de valor inferior ao salário mínimo nacional; refiro-me, por exemplo, à comparticipação nos medicamentos e, entre tantas outras, ao aumento da oferta pública de centros de dia, de lares e dos cuidados continuados. Cito estas de cor tantas foram as vezes que foram equacionadas. Em segundo lugar, o Secretário, em nome deste governo sem memória, nunca quis elaborar e, por isso, sempre chumbou, qualquer proposta no sentido de apurar, através de estudo, o número de pobres na Região o que imporia, também, conhecer a situação real da população idosa. São esquecimentos a mais, quando toda a Segurança Social (e bem) é paga pela República e do Orçamento Regional, ao contrário do que acontece nos Açores, nem um cêntimo é destinado ao apoio das pessoas com dificuldades. Essas estão literalmente empurradas para a caridadezinha!


D. Teodoro de Faria, Bispo Emérito do Funchal, disse que a terceira idade serve para alguma coisa para Estado, "que é para votar, mas de resto não produz e a ideia de quem não produz é que não serve." Por seu turno, o Secretário dos Assuntos Sociais e Saúde, em clara colagem política, esta tarde, assumiu em comunicado: "1. O Governo Regional da Madeira subscreve as declarações do Senhor Dom Teodoro Faria acerca do respeito que devem merecer os idosos, cujos direitos muitas vezes não são respeitados, nomeadamente pelo Estado, que lhes retira dinheiro das pensões, para as quais descontaram uma vida inteira e que afecta também muitos madeirenses."
Ora, este governo não tem vergonha na cara. O Secretário, em nome do governo, intencionalmente, esqueceu-se: 
Em primeiro lugar, que todas as propostas, apresentadas na Assembleia Legislativa da Madeira, visando a dignificação da população idosa, foram chumbadas pela maioria PSD. Estou, entre muitas, a lembrar-me de uma contribuição regional de € 50,00 para todas as pensões de valor inferior ao salário mínimo nacional; refiro-me, por exemplo, à comparticipação nos medicamentos e, entre tantas outras, ao aumento da oferta pública de centros de dia, de lares e dos cuidados continuados. Cito estas de cor tantas foram as vezes que foram equacionadas. Em segundo lugar, o Secretário, em nome deste governo sem memória, nunca quis elaborar e, por isso, sempre chumbou, qualquer proposta no sentido de apurar, através de estudo, o número de pobres o que imporia, também, conhecer a situação real da população idosa. São esquecimentos a mais, quando toda a Segurança Social (e bem) é paga pela República. No Orçamento Regional, ao contrário do que acontece nos Açores, nem um cêntimo é destinado ao apoio das pessoas com dificuldades. Essas estão literalmente empurradas para a caridadezinha! Em terceiro lugar, o Secretário, em nome deste governo permanentemente anti-social, esqueceu-se de algumas políticas implementadas pelos governos da República e que tiveram, obviamente, reflexo imediato na Região. Também de cor cito algumas dos governos socialistas que possibilitam, hoje, o Secretário cumprimentar com o chapéu alheio:
1ª A baixa no preço de mais de 4.000 medicamentos que significou uma poupança para os portugueses em geral de 726 milhões de euros com efeito sobretudo na população mais idosa;
2ª O Complemento Solidário para Idosos, instrumento poderoso para atenuar a pobreza de mais de 200.000 portugueses.
Esqueceu-se de dizer que isto foi possível, a par de outras iniciativas políticas (o Salário Mínimo que cresceu 20%; o Abono de Família, uma das prestações mais importantes que cresceu 25% nessa Legislatura, conjugado com o 13º mês desta prestação social; o apoio à parentalidade; o apoio pré-natal; a reforma da segurança social permitindo safar o País que se encontrava no abismo para uma situação de garantia de futuro) passando de 6,83% de défice nas contas do Estado para 2,6% em 2007 e 2008. Embora sabendo, o Secretário fez-se esquecido!
O mais espantoso é que o Secretário, em nome de um governo habituado a jogar areia para os olhos das pessoas, vem dizer que "continuará a desenvolver e a reforçar os apoios que desde o início da Autonomia Regional têm sido dados aos nossos idosos, garantindo-lhes uma vida com dignidade e o respeito da sociedade", quando tem dezenas de "altas problemáticas" nos hospitais, recentemente foi incapaz de resolver a questão da Madeira Living Care e deixou cair a construção de um novo hospital. 
Enganam quem?
Ilustração: Google Imagens. 

Sem comentários: