quarta-feira, 25 de setembro de 2013

DR. DOMINGOS ABREU, "BRINCAR COM AS PESSOAS", NÃO. LIBERTAR AS PESSOAS, SIM.


Escreveu: (...) Já ao nível das propostas é um vale tudo. Desde pastilhas de borla, passes em saldo e rebaixa nos impostos até à “inovação” de fazer o que já está feito, nada escapa, é o céu na terra. Esquecemos que uma Câmara não é um serviço de saúde, não é dona de companhias de transportes nem tem competências para fazer leis. E mesmo em tempo de contenção de despesas, anunciam-se investimentos impossíveis sem esclarecer onde se vai cortar. E quanto ao IMI, então a coisa é ainda mais ridícula pois, fazendo bem as contas, uma baixa insignificante do valor, beneficiaria sobretudo as classes mais favorecidas, proprietárias dos imóveis mais valiosos. Por último, a cereja no topo do bolo, a ideia de que as autárquicas são um meio de derrubar o governo, seja regional, seja nacional. É brincar com as pessoas. (...)" Então, globalmente, pergunto, que razões levam um cidadão a se candidatar? Se nada têm a propor, por que se candidatam? Porque sempre foi assim, não há razões para que se faça diferente? Então as responsabilidades organizacionais e as prioridades políticas não poderão ser outras? O Dr. Domingos Abreu fala de "pastilhas", mas já observou quantos e quantos idosos deixam no balcão das farmácias receitas por aviar, exactamente porque o seu partido chumbou, na Assembleia da Madeira, na tal casa das leis, todas as propostas, não só nesse sentido, como o de uma contribuição mensal a todos os que não dispõem de meios de subsistência? Sabia? Ora se sabe! E ora se sabe que, nos Açores, isso é prática de há muitos anos. E se a Câmara não é "um serviço de saúde", pois bem, é uma instituição que deve zelar pelos seus munícipes quando outros, a outros níveis, não o fazem. "Passes em saldo", referiu. Por trinta segundos coloque-se na posição de pobre, de pensionista de corda ao pescoço e questione-se. E fala do IMI, esse imposto que tomou proporções tais que nos leva a ser, todos, inquilinos da Câmara. Então não deve baixar até onde for legalmente possível? Com que direito e com que sensatez apoia um imposto que constitui uma pouca-vergonha a juntar a tantas outras que o governo a que pertence tem massacrado os madeirenses e portosantenses. Onde pára o seu conceito de Autonomia do poder local? E mais do que isso: a quem se deve a dupla austeridade na Madeira e tripla no Porto Santo? É à oposição ou a quem anda pelos corredores do poder há 37 anos? Só mais esta: eu pressuponho que não queira ver o seu PSD apeado do poder. Nada tenho a ver com esse desejo, mas que perder o Funchal significa um passo para derrubar o jardinismo, bom, qualquer pessoa, minimamente lúcida no plano político, percebe que será o princípio do fim deste REGIME. Não se chama a isto brincar com as pessoas, mas LIBERTAR AS PESSOAS! Percebeu?

Contra a repetição do passado, 
por uma cidade do futuro, mais solidária,
a alternativa é a "MUDANÇA" com Paulo Cafôfo na Presidência.

Há situações que se vão passando e que vamos tolerando. Outras, porém, causa-nos um nó na garganta. A história ontem narrada pelo DN-Madeira é uma delas. Assisti, ao longo de meses, à propaganda de uma deputada do PSD, quase diariamente em bicos de pés para ser notada em função do desempenho que dizia ter na Ribeira Brava, abafando todos os outros e criticando quem fazia abordagens sobre o 20 de Fevereiro, mas, afinal, há muita porcaria escondida. Ontem deixei este texto na minha página de facebook: "Leio na manchete do DN-Madeira: "Diverso mobiliário doado para famílias desfavorecidas após o temporal de 20 de Fevereiro de 2010, no concelho da Ribeira Brava, continua acondicionado num dos pisos inferiores do parque de estacionamento da freguesia da Serra de Água, sem nunca ter chegado aos respectivos destinatários (...)". Esta situação magoou-me, profundamente. Não quero saber quem são os culpados da situação, se pertencem a esta ou àquela instituição. Raios os partam todos, pela ausência de um mínimo de sentimento, quando há tanta gente que sofreu, ficou sem nada, que passa mal e que precisa de ajuda. E mesmo que todos tivessem recuperado a normalidade nas suas vidas, há sempre, mas sempre, quem precise de ajuda. Basta entrar em certas habitações. Este quadro fez-me lembrar o Nino Vieira da Guiné-Bissau que tinha os armazéns cheios de arroz para distribuí-lo nas suas campanhas eleitorais. O presidente do governo e o candidato à câmara deveriam aproveitar para "inaugurar" esta ausência de humanismo. Já que ontem inaugurou uma horta, descendo ao nível da alface, inaugure hoje o nível mais baixo da falta de solidariedade. Desculpem-me os leitores: que sacanas!".
Escrevi este texto sob uma intensa revolta interior. Como é possível? Ficaram arrecadados, por quê? Não havia gente com necessidades? E mesmo que não fosse na Ribeira Brava, quantas zonas foram afectadas e as pessoas completamente despojadas dos seus haveres? É isso, há situações que toleramos, em outras apetece puxar por uma orelha aos responsáveis, para ver se acordam, se deixam de lado os interesses e se conseguem um pingo de sentido humanista, ao menos transmitir uma ténue prioridade às pessoas. Mas o problema da minha revolta não foi apenas esse. Li o texto e, logo a seguir, um outro assinado pelo Dr. Domingos Abreu, julgo que candidato à Assembleia Municipal pelo PSD. Uma lástima, pela falta de rigor evidenciada. Eu respeito, na íntegra, seja lá quem for, que através de argumentos consistentes defenda o partido a que pertence, mesmo aqueles que outrora tiveram posicionamentos completamente díspares. Aceito e ponto final. Agora, quando vêm com tretas destas: (...) Já ao nível das propostas é um vale tudo. Desde pastilhas de borla, passes em saldo e rebaixa nos impostos até à “inovação” de fazer o que já está feito, nada escapa, é o céu na terra. Esquecemos que uma Câmara não é um serviço de saúde, não é dona de companhias de transportes nem tem competências para fazer leis. E mesmo em tempo de contenção de despesas, anunciam-se investimentos impossíveis sem esclarecer onde se vai cortar. E quanto ao IMI, então a coisa é ainda mais ridícula pois, fazendo bem as contas, uma baixa insignificante do valor, beneficiaria sobretudo as classes mais favorecidas, proprietárias dos imóveis mais valiosos. Por último, a cereja no topo do bolo, a ideia de que as autárquicas são um meio de derrubar o governo, seja regional, seja nacional. É brincar com as pessoas. (...)" Então, globalmente, pergunto, que razões levam um cidadão a se candidatar? Se nada têm a propor, por que se candidatam? Porque sempre foi assim, não há razões para que se faça diferente? Então as responsabilidades organizacionais e as prioridades políticas não poderão ser outras? O Dr. Domingos Abreu fala de "pastilhas", mas já observou quantos e quantos idosos deixam no balcão das farmácias receitas por aviar, exactamente porque o seu partido chumbou, na Assembleia da Madeira, na tal casa das leis, todas as propostas, não só nesse sentido, como o de uma contribuição mensal a todos os que não dispõem de meios de subsistência? Sabia? Ora se sabe! E ora se sabe que, nos Açores, isso é prática de há muitos anos. E se a Câmara não é "um serviço de saúde", pois bem, é uma instituição que deve zelar pelos seus munícipes quando outros, a outros níveis, não o fazem. "Passes em saldo", referiu. Por trinta segundos coloque-se na posição de pobre, de pensionista de corda ao pescoço e questione-se. E fala do IMI, esse imposto que tomou proporções tais que nos leva a ser, todos, inquilinos da Câmara. Então não deve baixar até onde for legalmente possível? Com que direito e com que sensatez apoia um imposto que constitui uma pouca-vergonha a juntar a tantas outras que o governo a que pertence tem massacrado os madeirenses e portosantenses. Onde pára o seu conceito de Autonomia do poder local? E mais do que isso: a quem se deve a dupla austeridade na Madeira e tripla no Porto Santo? É à oposição ou a quem anda pelos corredores do poder há 37 anos? Só mais esta: eu pressuponho que não queira ver o seu PSD apeado do poder. Nada tenho a ver com esse desejo, mas que perder o Funchal significa um passo para derrubar o jardinismo, bom, qualquer pessoa, minimamente lúcida no plano político, percebe que será o princípio do fim. Não se chama a isto brincar com as pessoas, mas LIBERTAR AS PESSOAS! Percebeu?
Por fim, não vou tão longe como várias vezes por aí escutei, em contestação a este poder que nos esmaga, que isto só "com luta armada". Não será necessário. Irá, pacificamente, e pelo voto dos funchalenses. Veremos.
Ilustração: Google Imagens.

Sem comentários: