domingo, 6 de julho de 2014

UM PRIMEIRO-MINISTRO QUE É UMA FRAUDE POLÍTICA


Disse o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho (ontem): discordo que "tudo se resolva com a intervenção do Estado" (...) "quanto mais o Estado intervém a partir de certo nível, mais recursos tem de ir buscar às pessoas". É evidente que não espero que nacionalizem o "papel higiénico", mas há funções constitucionais, que são direitos de todos nós, que não podem ser alienados. Exemplos sumários: a educação, a saúde, a segurança social e tantas áreas de muitos sectores onde se torna fundamental a presença do Estado. Ora, se é bom para o privado, por que não será para o sector público? Portanto, é uma falácia o que o primeiro-ministro disse. Ele sabe os motivos que o leva a dizer. O seu discurso é conhecido desde muito antes de ter assumido o lugar que ocupa. Hoje, diz que "(...) a nossa carga fiscal é muito elevada (...) pois quanto mais reclamarmos da intervenção pública - dado que o Estado somos todos nós - mais estamos a reclamar dos impostos, mais estamos a reclamar do sufoco fiscal em que vivemos". Mas, em Setembro de 2010, antes da sua chegada a S. Bento, salientou: "(...) não esperamos que sejam os portugueses a pagar mais impostos para resolver o problema do défice, mas que seja o Estado a dizer como é que se pode gastar menos e melhor. Essa é a função do Governo". Porém, a sua função não tem sido cortar nas ditas "gorduras do Estado", mas a de roubar os portugueses, esbulhar pensões e reformas, aumentar a carga fiscal ao nível do incomportável, empobrecer o país, degradar o tecido empresarial e favorecer o aparecimento de milionários. Cada dia que se passa mais parecido está com o pinóquio!


Completamente de joelhos perante os grandes interesses de uma direita política sôfrega por dinheiro fresco, Passos Coelho é, com todas as letras, em função do que disse antes das eleições de 2011 e o que fez após a tomada de posse, um mentiroso e um político com a marca do aldrabão. 
E com uma distinta lata, como se a nós dissesse respeito a responsabilidade pelo saldo negativo da natalidade, pelo número de desempregados e pelos números preocupantes da emigração, ontem, pediu um (...) entendimento e compromisso dos agentes políticos, económicos e sociais para uma estratégia "verdadeiramente nacional" para resolver os problemas da natalidade e do desemprego, garantindo que Portugal tem um nível de proteção social muito elevado (...). Como se ao povo dissesse respeito as políticas macro-económicas, a grande definição das estratégias nacionais visando a esperança e sobretudo a confiança no futuro. É por estas e outras que não tem qualificação um político que assim fala e age, quando joga para a responsabilidade dos cidadãos as responsabilidades de governo nacional. Os portugueses só podem contribuir para a natalidade se tiverem emprego devidamente remunerado e confiança no futuro. Bloqueiam essa possibilidade quando as políticas económicas vão no sentido contrário.
E foi mais longe quando disse em tom hipócrita: "(...) quando se fala da destruição do Estado social, estamos a falar de um absurdo". Como se isto fosse verdade! Afinal, o que tem andado a fazer? Não tem sido diminuir, significativamente, os direitos e apoios sociais, não por rigor, mas tudo para sacar dinheiro para pagar o redemoinho da dívida imposta pela troika? O reflexo dessa política não tem sido o aumento da pobreza, tudo quanto se está a passar na saúde e na educação, a consequência não tem sido levar os mais idosos a ajudar ou suportar as despesas das famílias? A consequência não tem sido a emigração e o medo relativamente ao futuro? E todo esse pretenso esforço nacional não foi feito em nome da "salvação do País" mas, afinal, já vamos numa dívida que ronda os 130% do PIB? É mentira, questiono, que  pioramos, substancialmente, apesar do esbulho que andam a fazer? 
Termino. Referiu-se ao passado dizendo que estivemos "(...) à beira do abismo". Senhor Primeiro-Ministro, à beira do abismo ou abismo abaixo, estamos hoje. Das suas declarações, embora eu as descontextualize intencionalmente, retiro uma passagem com a qual concordo totalmente: é preciso fazer "o inverso". É verdade, porque nem no Estado Novo se roubou tanto!
Ilustração: Google Imagens.

Sem comentários: