terça-feira, 28 de outubro de 2014

COMEÇA A SER TEMPO DE RECUPERAR A DIGNIDADE DE PORTUGAL


Angel Gurría (OCDE) veio a Portugal dizer que o número de funcionários públicos deve continuar a encolher. Falou de eficiência do sector público "através de uma maior redução do número de funcionários públicos". O distinto senhor ditou a sua posição, através de um "relatório", embora se saiba que o número de funcionários públicos se encontre abaixo da média da OCDE. Há excesso de pessoal "em áreas específicas como as forças de segurança e a educação". Concretamente, na educação, "o tamanho médio das turmas é pequeno". É evidente que o senhor Angel Gurría sabe o que anda a propalar. Ele é mais um da grande máquina absolutamente mafiosa que lidera as organizações europeias. Estão todos a uma só voz. É evidente que ele sabe que temos uma taxa de insucesso que envergonha e que a taxa de abandono do sistema educativo é excessivamente alta. E sabe, também, que Portugal tem níveis de pobreza alarmantes e que a classe média está a ser destruída canalizando-a para o patamar da pobreza envergonhada. Ele sabe, também, que existe uma relação directa entre a pobreza e baixos níveis de satisfação social com a acessibilidade à escola. Uma família pobre não pensa numa educação a vinte anos. Pensa ao mês, à semana e quantas vezes ao dia, porque a fome não pode esperar. Ele sabe que a escola está transformada em remediadora social. Ele sabe que neste contexto, genericamente aqui apresentado, quanto mais alunos por turma pior. Ele sabe, penso que não é por falta de inteligência, que os professores são importantes para colmatar lacunas logo aos primeiros sinais de desconformidade na aprendizagem, isto é, logo no primeiro ciclo curricular. Ele sabe de tudo isto, mas a poderosa máquina dita que ignore tudo isto. Despedimento é a sua palavra de ordem.


Angel Gurría pouco se importa que seja o representante da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) e que sem um sistema educativo público, universal e inclusivo, não é possível o DESENVOLVIMENTO. Simplesmente porque há uma relação directa entre o conhecimento e o desenvolvimento. Ele pouco ralado está que as universidades estejam em desespero por falta de financiamento e que muitos estudantes estejam a abandonar o ensino superior. Ele quer lá saber que o Orçamento de Estado corte no direito à Educação logo a partir das escolas básicas e secundárias. Gurría é uma espécie de correia de transmissão que entrou no nosso país para ditar "leis" ofendendo os portugueses e a própria soberania nacional. 
Gurría poderia ter feito análises de teor económico, fim último dessa organização, mas não lhe compete vir impor o que devemos fazer. O mais grave é que Portugal legitimou aqueles desaforos, através da presença da Ministra das Finanças, pelo que, se dirá, que "um mata e outro esfola". Começa a ser tempo de recuperar a dignidade do nosso país com quase novecentos anos de História.
Ilustração: Google Imagens.

Sem comentários: