segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

CREDORES OU SAQUEADORES?


Li: "O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmou, hoje, que 2014 foi um ano "bastante intenso" em que o Governo conseguiu completar "tarefas muito importantes" para o país "sem suscitar dúvidas" aos credores e "preservando a paz social". Começo pelo fim: paz social, onde? Será que o primeiro-ministro, tal como o outro que por lá passou (Cavaquinho), não lê jornais, não tem dúvidas e raramente se engana? Não tem noção do estado de ruptura social no qual mergulhámos, com direitos constitucionais restringidos, roubo nas pensões, desemprego e emigração? 


E, perante isto, como poderiam os saqueadores do FMI, os da Europa, os da Banca e os ditos "investidores" terem dúvidas sobre os pressupostos do saque? Alguém, nestes últimos anos, assumiu, frontalmente, que a dívida é para ser paga, mas desde que renegociada e de acordo com as possibilidades do País? Alguém fez lembrar a esses senhorios que a crise foi intencionalmente gerada e que ela varreu toda a Europa? Alguém fez lembrar que há quem esteja a beneficiar com a crise e os constrangimentos dos países mais pobres?
Foram nessas as "tarefas muito importantes" que Passos Coelho/Paulo Portas trabalharam muito "intensamente" tendo conseguido passar a dívida que rondava os 90% do PIB para cerca de 135%! Que lata... 
Ilustração: Google Imagens. Legenda: "Um nariz que cresce, cresce!"

Sem comentários: