domingo, 25 de janeiro de 2015

"O SINERGISMO DE ALBUQUERQUE"


"Li de ponta a ponta a moção do novo líder do PSD que, agora, todos acham que é o maior só porque venceu as eleições internas no PSD. Até há uns idiotas úteis que se dizem da oposição que vão atrás da cantiga. A moção de Miguel Albuquerque a determinada altura fala na necessidade de sinergismo na área da saúde. A palavra chamou-me à atenção e fui ao dicionário tentar perceber o que é sinergismo. O Dicionário Universal da Texto Editora diz que sinergismo é “...a doutrina sobre a qual a salvação do homem é conseguida pela colaboração da graça divina com a vontade do homem”. No meio de dezenas de generalidades da moção que me dei à maçada de ler, valeu esta pérola linguística e doutrinária. O resto, 59 páginas e muitas fotos, é uma autêntica decepção. Palavras, palavras, e mais palavras, frases sem sentido, evidências e banalidades. Ah, tem aquela da “Bacia do Atlântico como Província Estratégica” – que se alguém souber traduzir que mande para o nosso Diário. Leiam-se alguns destaques da moção: “A Madeira tem de assumir uma nova dinâmica de simpatia externa e atractividade internacional”.

Fumo, apenas fumo...

Temos que arreganhar mais a taxa! “Os madeirenses e portosantenses precisam urgentemente de se unir em torno de uma estratégia (...)”. Querem ver que vão acabar com o mar da Travessa. “A Madeira tem obrigatoriamente de ocupar um papel central e estruturante no sistema Atlântico”. Será que alguém pode descodificar! “A Madeira tem de apostar em novos sectores, aptos a captar capitais”. Será que podemos saber quais? No Turismo “É preciso definir uma estratégia correcta, rasgar novos horizontes, mobilizar energias capazes de recuperar deficiências e atrasos e responder a desafios que já aí estão”. Mas o candidato não deveria saber qual é a estratégia e propô-la? “É urgente a implementação de uma política de transportes que seja capaz de reduzir o custo dos transportes”.
Que novidade! Mas que soluções? “A formação das nossas crianças, jovens e adultos deverá contemplar as tecnologias, a cultura e os idiomas que nos permitam ser competitivos num mundo global”. Mas não é isso que está a ser feito? Talvez falte o mandarim meu caro líder. “A criatividade e a inovação deverão constituir-se como prioridades para se obter a transformação da sociedade madeirense e porto-santense”. Agora o povo da ilha irmã vem com um hífen, mas continuam as generalidades. Quanto à Cultura: “é essencial para garantir uma comunidade mais equilibrada e mais preparada para lidar criativamente com os fenómenos contemporâneos”. Será que podia explicar melhor?
Finalmente: “os objectivos da política desportiva regional devem estar inseridos numa Visão e Missão de desenvolvimento global da Região”. Será que alguém percebe o que é isto. Quando isto é “Renovação de Mentalidades, de Atitudes e de Objectivos”, eu vou ali e já venho. Isto é um vazio sem propostas concretas e soluções exequíveis. Isto é superficialidade pura e dura! A moção do Jaime Ramos ao menos era mais precisa. E é com este líder que o PSD pretende ter maioria absoluta? Francamente! Isto é conversa de café!"
NOTA
"Carta do leitor", assinada por Fátima Câmara, publicada na edição de hoje do DN-Madeira e aqui reproduzida com a devida vénia.

1 comentário:

jv disse...

Pelo que li, não interessa o vazio e o ridículo daquilo que se expõe, tem é que se por qualquer coisa, mas o mais trágico e absurdo de tudo isto, é, se isto é suficiente para ganhar eleições...
Abraço. JV