quarta-feira, 12 de agosto de 2015

UM GOVERNO PHOTOSHOP


Eu sei que este governo foi eleito sem programa eleitoral. Sei também que, a caminho dos quatro meses de governação, depois de aprovado, na Assembleia, o programa de governo, não é sensível uma lógica de governação, um sentido que, ao comum dos cidadãos, seja perceptível um propósito. Umas coisinhas aqui e outras ali, aspectos que, aliás, se o jardinismo não tivesse sido uma crença estúpida, cretina e subjugada a interesses, desde sempre estariam resolvidas. Bastaria que o respeito pela democracia tivesse funcionado. De resto, naquilo que é estrutural e que pode conduzir a um futuro de melhores condições de vida para os cidadãos, a imagem que fica é a de um constrangedor vazio. O presidente do governo diz que não tutela os secretários e estes, pelo menos até agora, para além da presença em momentos de representação institucional, têm oferecido uma imagem muita amadora do exercício da política. Entretanto, uma demissão e um novo secretário da saúde a pedir tempo, como se 40 anos não bastasse!


É este o sentimento que tenho, aliás, muito bem caracterizado em um comentário no DN-Madeira: estamos em presença de um "governo Photoshop". Assim se justificam, este é apenas um exemplo, os sucessivos disparates políticos do secretário da Educação. Caso para dizer: o presidente do governo não tutela, mas deveria. E, neste caso, é tempo de mandar "meter na gaveta", esta penso ser a expressão mais apropriada, algumas decisões insustentáveis quer do ponto de vista político, quer na vertente científica. Mas tempo também do presidente do governo assumir e comprometer-se com o futuro. Andar atrás dos "casos do dia" não me parece boa estratégia, ao jeito do partido A disparar e logo surgir o governo ou a maioria parlamentar a colmatar a brecha! Nem discretos são. Até aspectos que fazem parte da rotina servem para propagandear. Ainda ontem a Direcção Regional dos Edifícios Públicos veio enaltecer que, ainda este ano, estão previstas uma série de obras de conservação e reestruturação em edifícios públicos, nomeadamente no parque educativo. Que significativa decisão!
Melhor seria que todos percebêssemos ao que vêm, qual a sua missão e que estratégias pretendem utilizar. Nada se sabe. A coisa vai funcionando! Seguem os passos de qualquer déjà vu. Não tarda e como não são pessoas de briga na praça pública, reconheço, começo a pensar que outros seguirão o que fez o Dr. Manuel Brito, cuja saída ainda não teve uma explicação politicamente mais consistente. 

Ilustração: Google Imagens.

Sem comentários: