sexta-feira, 11 de novembro de 2016

NO EXERCÍCIO DA POLÍTICA... QUANDO FALHA A COMPETÊNCIA PARA RESOLVER, O MELHOR CAMINHO É O DA DEMISSÃO


Para mim é claro. Não sendo o exercício da política uma profissão, antes um serviço público à comunidade, quando a competência falha para resolver questões sensíveis e preocupantes para essa comunidade, o melhor caminho é o da demissão. É o caso concreto de quem teve e tem uma responsabilidade política primeira pelos preços praticados nas ligações aéreas entre o Funchal e o território nacional. 


Passagens para o Natal e final de ano assumem valores absolutamente "pornográficos". Mais de € 500,00, segundo uma peça publicada hoje no DN-Madeira. Todos e, particularmente, os estudantes e seus pais estão, uma vez mais, encostados à parede. Em alguns casos porque perdem o direito ao subsídio; em muitos outros, porque não têm dinheiro para "adiantar" o pagamento. Nem com o recurso ao cartão de crédito, uma vez que têm de esperar 60 dias. Uma vergonha! 
Diria mais, um escândalo, quando a TAP, por exemplo, entre 24 de Dezembro e regresso a 01 de Janeiro, entre Lisboa-Estocolmo-Lisboa, apresenta uma tarifa de € 282,68. Acresce dizer que o tempo total de voo, neste caso, é o triplo da ligação Lisboa-Funchal-Lisboa.
O curioso é que este "modelo", subscrito pelo secretário regional da Economia, Dr. Eduardo Jesus, foi apresentado como uma grande conquista porque, finalmente, os madeirenses e portosantenses "beneficiam" de tarifas e de um subsídio de mobilidade claramente vantajoso. Agora, depois do grosseiro erro cometido, empurra para Lisboa a revisão da indecorosa Portaria. Ainda assim continua a assumir que é, genericamente, vantajosa. O secretário, também no plano político, por aproximação, deveria ter presente G. Bachelard, que escreveu que não há verdades primeiras, só existem erros primeiros. E é no reconhecimento desses erros que se recomeça!
Portanto, é tempo de RECOMEÇAR e de colocar um ponto final nesta vergonha que, sublinham, ser o mercado a funcionar.
Ilustração: Arquivo próprio.

Sem comentários: