domingo, 7 de maio de 2017

RUI MOREIRA (Porto) UMA ESPÉCIE DE VIRGEM OFENDIDA


O "independente" Rui Moreira, presidente da Câmara Municipal do Porto, resolveu fazer uma tempestade política sem uma única razão pública plausível. Do meu ponto de vista, face a uma candidatura dita "independente", todos os partidos políticos que abdiquem de propostas próprias, têm legitimidade, em caso de vitória eleitoral, considerarem que o resultado também constitui uma sua vitória. Que mal existe nisso? Não desvirtua o princípio da "independência" partidária do vencedor e todos os contribuintes dessa vitória têm o direito de se regozijarem com a sua aposta. 


Mas vou mais longe. Não existem "independentes". Politicamente, todos nós transportamos princípios, valores e convicções. Temos uma história construída através de leituras, diálogos, pensamentos, vivências, ambientes familiares e tantos outros, e tudo isto acaba por moldar a forma como acabamos por posicionarmo-nos face à vida. Inclusive, nas opções politico-partidárias. Ora, o Dr. Rui Moreira não é um "independente". Não tem é um "cartão partidário", o que não significa, nas eleições legislativas ou nas europeias, por exemplo, não vote em um sentido que mais se coadune com a interpretação que faz da política partidária.
E assim sendo acabou por criar um problema, não para o Partido Socialista, mas para ele próprio. Foi uma decisão, reparem, do núcleo duro reunido na sua comissão política. Os partidos também têm o designado "núcleo duro" que integra a "comissão política". Portanto, parece-me óbvio que a imagem organizacional dos partidos serve para umas coisas, não para outras.
No meio do "terramoto político", leio no Expresso, que Manuel Pizarro (PS), agora candidato por força das circunstâncias, é considerado o supervereador que até o concorrente do PSD, Álvaro Almeida diz mandar na Câmara, em vez do presidente dos "eventos, festas e selfies". São os próprios adversários que reconhecem o valor político daquele que agora foi deselegantemente sacudido. Um dia saber-se-á o porquê.
Ilustração: Google Imagens. Rui Moreira/Manuel Pizarro

Sem comentários: