sábado, 31 de março de 2018

PEDRO CALADO, O VICE, ASSUME QUE SOMOS PORTUGUESES DE SEGUNDA!


Li e fiquei estupefacto. De uma Portaria considerada e propagandeada pelo governo regional como a melhor e a que mais garantias oferecia a todos os insulanos da Região Autónoma da Madeira (provou-se exactamente o contrário) parece estar em preparação uma revisão que, a se concretizar, coloca-nos, claramente, no patamar de portugueses de segunda. Limitar o número de viagens por ano/passageiro? Não, obrigado. Viajar às 6/7 horas da manhã ou depois das 20 horas para ter direito ao subsídio de mobilidade? Não, obrigado. Esperar dois meses pelo subsídio caso o pagamento seja feito com cartão de crédito? Não, obrigado. Não ter direito à compra de um bilhete corrido (por exemplo, Funchal-Porto-Paris-Porto-Funchal)? Não, obrigado. E mais, e mais e mais!


Nós somos portugueses que residem nas ilhas. Sendo assim, há um preço justo a aplicar, pago no acto da compra e sem mais burocracias empurradas para os correios. E deixem-se dessa treta que o mercado funciona. Para os residentes, de longa data se sabe que NÃO FUNCIONA. As companhias aéreas e não só, andam, claramente, a sacar dinheiro ao Estado. São tantos os exemplos (públicos) de rotas para tão longe da Região que custam menos que uma ligação de Lisboa ou do Porto para as ilhas. 
Será que este anúncio, ainda meio escondido, corresponde, por antecipação, a uma peta de 1 de Abril? Talvez. Porque é mau de mais para ser verdade. E se é verdade, irá dar muita confusão.
Por tabela sofrem os madeirenses e porto-santenses que têm de possuir o dinheiro que exigem no acto de aquisição do bilhete. O trigo é limpinho, sobretudo em determinadas épocas do ano. De seis milhões de subsídios (2014) já vai em 53,7 milhões orçamentados para 2018. Alguém está a aproveitar-se e esses não são os consumidores. 
Ataquem o problema na raiz , porque o tal "despesismo intolerável" tem uma ou mais causas. E na raiz não estão os residentes. Com toda a certeza.
Ilustração: Arquivo próprio.

Sem comentários: