quarta-feira, 25 de julho de 2012

NA POLÍTICA AQUILO QUE PARECE É!


Cada um que retire as ilações que entender das palavras do Presidente quando assumiu a existência de uma "estranha coincidência" pelos incêndios terem ocorrido após os seus comentários sobre os bombeiros. Desde logo é de muito mau gosto, parece-me de teor reles e ordinário, impróprio de um governante, em circunstância alguma, deitar boca fora declarações daquele jaez, para mais quando ainda andam bombeiros pela serra fora e em alerta constante a proteger bens individuais e colectivos. Uma vergonha. Só o Coronel Lacerda, vestido com a farda nº 1, resolveria um caso destes!

 
Já andava desconfiado que iria sair bojarda pela boca fora do Presidente do Governo regional. Diz o povo que a melhor defesa é o ataque, portanto, especulação minha, antes que me envolvam nisto, toca a disparar sobre os outros. Cada um que retire as ilações que entender das palavras do Presidente quando assumiu a existência de uma "estranha coincidência" pelos incêndios terem ocorrido após os seus comentários sobre os bombeiros.
Desde logo é de muito mau gosto, classificável de teor reles e ordinário, impróprio de um governante, em circunstância alguma, deitar boca fora declarações daquele jaez, para mais quando ainda andam bombeiros pela serra fora e em alerta constante a proteger bens individuais e colectivos. Uma vergonha. Só o Coronel Lacerda, vestido com a farda nº 1, resolveria um caso destes!
Ora bem, perante aquela insensata bojarda, o problema agora reveste-se de uma importância maior. Não é apenas a Associação Nacional de Bombeiros que lhe deve mover um "processo crime", tal como foi anunciado, mas o próprio Ministério Público a investigar até às últimas consequências, venha a doer a quem doer e a visar quem visar, as eventuais causas do que aconteceu. A Polícia Judiciária e bem corre atrás dos criminosos, julgo que um presumível pirómano foi identificado, mas a investigação não deverá ficar por aí. As perguntas, entre outras, podem ser estas: por detrás do que aconteceu estarão motivações políticas? Se existem, quais e motivadas porquê e por quem? O que levou o Presidente do Governo, de forma subtil, a colocar em causa os bombeiros? Estará ao ataque em função da informação privilegiada que dispõe? E se está, defende o quê e quem? Nenhuma resposta tenho e nada disto se sabe. E deve ser investigado. Se é possível uma investigação desta natureza não sei. Não sou jurista nem polícia, mas há situações que não devem passar em claro, uma vez que se tratou de um desastre, em vários locais, alegadamente provocado. Mais, não me parece admissível que se passe ao lado de afirmações desta natureza: "esta situação excecional até parecia que era para provar que não havia bombeiros a mais". Ora, como parto do princípio que o Presidente do Governo está de posse de todas as suas faculdades mentais, logo imputável, há que determinar as razões substantivas que se encontram por detrás daquelas declarações. E que não venha com a história da imunidade! Na política, aprendi eu há muito, que aquilo que parece é! Daí que, em defesa da transparência, da responsabilidade e da respeitabilidade, considero imprescindível uma investigação à lupa. Se se tratou de mais uma infantilidade (!), então, há razões para um pedido de desculpas à população e, se for político com P maiúsculo, colocar o lugar à disposição dos madeirenses.
Ilustração: Google Imagens.

5 comentários:

Fernando Vouga disse...

Caro André Escórcio

Tal como afirmei noutro blogue, Jardim acabou de disparar uma rajada no pé. Foi imprudente e insensato. Quanto mais não seja, porque mostrou a careca. Não tem a consciência tranquila quanto aos bombeiros e cometeu a imprudência de acusar o toque.
Por outro lado, ao ficar-se por insinuações em vez de recorrer ao Ministério Público, cometeu a insensatez de revelar que não tem nada de melhor para nos oferecer.

Fernando Vouga disse...

Caro André Escórcio

Deixe-me só acrescentar mais um "pequeno" pormenor.

No seu discurso de ontem, Jardim falou de "estranhas coincidências". Mas esqueceu-se de uma: a de os incêndios terem começado nas propriedades da família Blandy...

João André Escórcio disse...

Caríssimo,
Ora bem... pelas propriedades da família Blandy!

jorge figueira disse...

Ora bem onde o, André Escórcio,acha que cabe no conceito de democracia que se presume existir na cabeça do pres.,"colocar o lugar à disposição dos madeirenses"? Nunca, jamais, em tempo algum!
O ridículo continua. Assinou contratos programas que não cumpriu mas já anda a acenar com milhões para isto para aquilo como imprimisse moeda.

João André Escórcio disse...

Obrigado pelo seu comentário.
É evidente que nunca colocará o lugar à disposição. Para isso teria de ser um político com P maiúsculo. Ele ama o poder e, portanto, só através de um acto eleitoral. O que gostaria de perceber é tudo o que se esconde por detrás de homem que teima, aos 70 anos, manter-se ali, naquela cadeira.