sábado, 10 de dezembro de 2011

O LADO OCULTO DAS ORGANIZAÇÕES


O problema é quando não se conhece o Princípio de Peter que dita que "em uma organização hierárquica os funcionários tendem a ser promovidos até chegarem a um cargo para o qual são incompetentes". O problema é que não têm consciência disso e por lá permanecem. Com pessoas assim, obviamente, que as organizações emperram. E esses funcionários, desesperados, lançam-se, normalmente através de outrém, na designada "hostilidade irracional", isto é, descarregam a sua frustração nos outros. É o lado oculto de uma organização a funcionar.


Há pessoas assim, que são incapazes de uma argumentação política, serena e credível, antes preferem o insulto, a maledicência, o botabaixo, a ofensa pessoal e gratuita. Ainda hoje ao ler um texto que me pareceu de encomenda, cheio de ódio contra diversas pessoas as quais, no mínimo, merecem respeito, veio-me à memória uma empresa de jovens empresários que se dedicou a produzir curiosas camisolas. A empresa teve ou ainda tem sucesso. Não sei. Mas uma dessas estampagens, talvez porque a minha vida profissional foi a docência, despertou-me a atenção até como subtil mensagem aos mais jovens. Retirei a imagem do "google" e aqui a deixo.
É interessante, porque todos nós temos limitações a todos os níveis, o que implica uma constante actualização. O problema é quando não se conhece o Princípio de Peter que dita que "em uma organização hierárquica os funcionários tendem a ser promovidos até chegarem a um cargo para o qual são incompetentes". O problema é que não têm consciência disso e por lá permanecem. Com pessoas assim, obviamente, que as organizações emperram. E esses funcionários, desesperados, lançam-se, normalmente através de outrém, na designada "hostilidade irracional", isto é, descarregam a sua frustração nos outros. Eu diria que é o lado oculto de uma organização a funcionar. Ao invés de serem empregados empreendedores, portanto, ousados, persistentes, intuitivos, respeitados, que sabem planear formas de ultrapassar as dificuldades da organização, pelo contrário promovem o conflito, a difamação, a hostilidade entre grupos através da distorção da informação. Aliás, há um conjunto de sintomas que um líder deverá estar atento, para que as tácticas, o modus operandi não prolifere.
Eu sei, porque li em vários autores da área da gestão, que muitos conflitos não inteligentemente geridos, têm como causas comuns questões de "território". E o território no interior de uma organização não é apenas o espaço físico. O território joga com o investimento pessoal, a estima, a influência, o desejo de poder, os louros e até as recompensas financeiras. Genericamente é isto que os autores referem, o que conduz, naturalmente, à tal "hostilidade irracional". Ao contrário de retirarem partido dos desacordos, incentivam a energia negativa no pressuposto que, por aí, terão sucesso. Tenho pena que não compreendam.
Ilustração: Google Imagens.

4 comentários:

Jacinto disse...

Totalmente de acordo. Mas terá que aceitar a opção dos militantes do PS...
Apesar de se perspectivar, de novo, uma situação "de Peter".

João André Escórcio disse...

Obrigado pelo seu comentário.
Equacionou a possibilidade de eu não estar a escrever sobre aquilo que, alegadamente, esteve na base do seu pensamento?

Jacinto disse...

Não estava?

João André Escórcio disse...

Muitas vezes dá-me gozo escrever de forma indefinida, sendo certo que os textos se aplicam ao conhecido. A nossa vida, como sabe, está rodeada de episódios repetidos ou semelhantes que nos fazem divagar pelos conhecimentos mais académicos do que políticos.