terça-feira, 25 de setembro de 2012

O SECRETÁRIO DA EDUCAÇÃO APRENDEU DEPRESSA!


Oh senhor secretário e ex-sindicalista, ter calotes desde 2011 (telefones) e denunciá-los é ser alarmista? Oh, senhor secretário vá brincar com quem quiser, mas não com os jornalistas nem com os professores, nem com os pais, nem com os sindicatos que não lhe fazem vénia. A um político em funções governativas, mesmo que não esteja, exige-se dignidade, verdade e total assumpção das responsabilidades.
 
 
Está à sua frente, mas nega, ou melhor, é preto, bem preto, mas diz ser cinzento; entra pelos olhos adentro de qualquer cidadão, mas para o secretário não é bem assim, vamos resolver, pois que se trata de uma ou outra situação pontual. Ontem, uma vez mais, confrontado com o corte, nas escolas, dos telefones da rede fixa, falou de uns indivíduos "alarmistas". Oh senhor secretário e ex-sindicalista, ter calotes desde 2011 e denunciá-los é ser alarmista? Ter piscinas por todo o lado fechadas, porque não há dinheiro para o combustível, impedindo a regular utilização pelas escolas e pelo associativismo, é ser alarmista? Ter um calote de cerca de seis milhões de euros aos professores, desde 2008, professores que ascenderam na carreira por mérito próprio e que estão a ser pagos pela categoria anterior, é ser alarmista? Não ter dinheiro para visitas de estudo é ser alarmista? Ter as reprografias sem papel e toner, com os professores a fazerem das tripas coração para manterem as aparências, é ser alarmista? Ter cantinas com sucessivas dificuldades de funcionamento, por uma ou outra razão, é ser alarmista? Ter pobreza na escola e uma portaria da acção social penalizadora é ser alarmista? Não ter dinheiro para o papel higiénico ou para pagar os calotes aos fornecedores e, particularmente, as facturas de energia e água é ser alarmista? Oh, senhor secretário vá brincar com quem quiser, mas não com os jornalistas nem com os professores, nem com os pais, nem com os sindicatos que não lhe fazem vénia. A um político em funções governativas, mesmo que não esteja, exige-se dignidade, verdade e total assumpção das responsabilidades. E quando o político sente que não tem ombros para esta carga e/ou capacidade para gerir um sector do qual dependemos como de pão para a boca, o melhor que tem a fazer não é aguardar por uma eventual remodelação, mas sair, regressar à sala de aulas e, qual reciclagem, viver o dia-a-dia dos professores e das escolas. Para mim isto é limpinho. Não aceito é que me venham, perante as evidências e os testemunhos, ouvir que todos os que analisam e que se posicionam são alarmistas. E o pior disto tudo é que o Secretário sabe onde está o dinheiro para satisfazer as necessidades do sistema educativo.
Mas, já que fala de situações alarmistas, hoje ficarei por aqui, todavia, brevemente, regressarei com outros dados. Esteja atento, senhor secretário. Toda a gente percebe que aprendeu depressa a lengalenga do PSD e do seu "chefe", mas não pense que os outros são todos mentecaptos.
Ilustração: Google Imagens.

2 comentários:

Fernando Vouga disse...

Caro André Escórcio

Com o trambolhão do GR à vista, todos os secretários se transformaram numa espécie de ministros da propaganda de Saddam.

João André Escórcio disse...

Obrigado pelo seu comentário.
Sabe, custa-me ouvir declarações como se fossemos todos uns tontinhos, incapazes de perceber o que se está a passar.