quinta-feira, 27 de setembro de 2012

UM GOVERNO SEM BÚSSOLA E UM PRESIDENTE QUE SE GUIA PELAS ESTRELAS


Inevitavelmente, o Presidente da República será arrastado neste turbilhão desintegrador. Anda, há muito, a aparar o jogo, em negociações por detrás da cortina, como se as cúpulas de ambos os partidos fossem meninos de coro. Não são. Há muitos interesses pessoais e de grupo em jogo e, como diz Daniel Oliveira, "(...) os portugueses compreenderão que o problema de quem os governa não é apenas de incompetência e fanatismo. É acreditarem que no memorando da troika está a solução e não o problema (...)". E disso, penso eu, já estão a aperceber-se, se considerarmos aquele milhão de pessoas que a 15 de Setembro veio para a rua dizer BASTA. Só o Presidente é que não vê que é suicidário o caminho que este governo está a percorrer. Também por incompetência e, porventura, por fanatismo ideológico e partidário. Tivemos um "corta fitas", o Almirante Américo Tomás, hoje temos um civil que descerra placas e pouco mais do que isso.

 
A pressão exercida pelo povo, melhor dizendo, pelos "piegas", parafraseando a expressão de Passos Coelho, deixou a bússola do governo completamente descontrolada. TSU, sim, TSU, não; subsídios de férias e de Natal só para 2018, subsídios de férias e de Natal (uma parte) já no próximo ano, enfim, duas entre outras situações que provam que este é um governo de amadores que nem para levar a água ao seu moinho consegue. O governo e os partidos da coligação que, por mais que tentem disfarçar, manifestam olhares enviesados um para o outro. O tal "Conselho de Coordenação da Coligação" (CCC) constitui um penso rápido numa ferida profunda que não conseguem controlar. Leio uma peça dos jornalistas Filipe Costa, Ângela Silva e Alberto Frias (Expresso): "(...) nas cúpulas laranja do Executivo há quem deixe um aviso: "o que ainda temos de fazer é avassalador e não é certo que o CDS queira ficar colado ao que aí vem". Do ponto de vista centrista, a questão é ao contrário: "o que há para fazer é duríssimo e impopular, mas terá de ser feito pelo lado certo - os cortes na despesa - e não pela solução de sempre, de inventar mais impostos". Daqui se pode deduzir que aquele CCC não é mais que um penso que disfarça e atenua a dor entre parceiros, mas que continuará a sangrar até ao momento da ruptura completa. Leio que há ministros que querem uma remodelação imediata e o primeiro-ministro não; leio que o CDS/PP duvida das contas de Gaspar. Ora, quando isto está a acontecer só pode existir uma leitura: não se entendem e, tarde ou cedo, o acordo "nupcial" será desfeito, até porque o CDS, que na coligação funciona como bengalinha, tendo eleições autárquicas no próximo ano, com uma última sondagem a lhe dar uns escassos 7%, atrás de todos os outros, certamente que saltará do barco, numa tentativa de se demarcar da loucura suicida do partido maioritário no governo.
Inevitavelmente, o Presidente da República será arrastado neste turbilhão desintegrador. Anda, há muito, a aparar o jogo, em negociações por detrás da cortina, como se as cúpulas de ambos os partidos fossem meninos de coro. Não são. Há muitos interesses pessoais e de grupo em jogo e, como diz Daniel Oliveira, "(...) os portugueses compreenderão que o problema de quem os governa não é apenas de incompetência e fanatismo. É acreditarem que no memorando da troika está a solução e não o problema (...)". E disso, penso eu, já estão a aperceber-se, se considerarmos aquele milhão de pessoas que a 15 de Setembro veio para a rua dizer BASTA. Só o Presidente da República é que não vê que é suicidário o caminho que este governo está a percorrer. Também por incompetência e, porventura, por fanatismo ideológico e partidário. Aliás, não existe uma grande diferença, a não ser na proporção dos espaços de intervenção, sobre a sua mudez relativamente ao que há anos se passa na Madeira e o seu comportamento com o desnorte governativo nacional. Tivemos um "corta fitas", o Almirante Américo Tomás, hoje temos um civil que descerra placas e pouco mais do que isso. E o país afunda-se e a região, à sua dimensão, apodrece às mãos de governantes de política fraudulenta. Confrontamo-nos com um governo sem bússola e com um presidente que teima em guiar-se pelas estrelas. Diria Cavaco Silva: por precaução e prudência. As únicas palavras que, repetidamente, diz. É por isso que milhares, para não dizer milhões de portugueses, estão fartos deste senhor.
E a propósito aqui deixo parte de uma opinião do Jornalista e economista Camilo Lourenço - Jornal de Negócios: "(...) O que se passou nas últimas semanas (péssima comunicação do governo mais o "golpe de Estado" patrocinado pelo Presidente, que tornaram possível governar a partir da rua) coloca-nos numa situação mais complicada do que parece. Só nós não estamos a perceber. Mas lá fora há quem não esteja tão distraído: veja-se a "Lex Column" do "FT" de ontem ("Portugal - failing to stay the course - country combines some of the worst aspects of Greece and Ireland"), que diz que o Governo recuou com receio das manifestações. Hummm!!! (...) Isto vai correr mal".
Eu diria que só quem não está a perceber é o Presidente!
Ilustração: Google Imagens.

Sem comentários: