quarta-feira, 23 de maio de 2012

NÃO AO ACORDO ORTOGRÁFICO. UMA NOTÁVEL ENTREVISTA COM A DRª MARIA DO CARMO VIEIRA.


Sobre a Língua Portuguesa: "Vivemos uma barbárie doce, onde deixam falar mas não ligam. Os portugueses vendem-se e, neste acordo, venderam-se! A Língua não se decreta, por isso o acordo tem de ser suspenso! Temos que ser dignos e desobedecer" - Maria do Carmo Vieira.

Não constituiu a minha área de estudo, mas isso não me impossibilita de ter uma opinião. Ora bem, desde a primeira hora, o ACORDO ORTOGRÁFICO sempre me deixou apreensivo. Precisamente porque, repito, não sendo especialista, percebi que a herança científica da Língua estava a ser vendida. Porém, cheguei a acreditar que seria irreversível. Por isso "alinhei", comprando os livros necessários à compreensão das novas regras. E fui fazendo, aos poucos, as actualizações, escrevendo e consultando, sistematicamente, o prontuário. Entretanto, sempre com dúvidas, fui buscando outras opiniões, até que ouvi a Drª MARIA DO CARMO VIEIRA, cuja entrevista aqui deixo para reflexão. Certo é que, até onde for possível, continuarei a escrever como aprendi. Mas, caro leitor, siga esta entrevista, porque ela é do maior interesse. (08.05.2012 - Programa NÓS E A ESCOLA)

4 comentários:

Fernando Vouga disse...

Caro André Escórcio

Em princípio, não sou contra a acordos ortográficos. A língua falada evolui e a escrita deve acompaná-la, tanto quanto possível. Mas sou visceralmente contra este acordo que introduziu alterações profundas e insensatas. Foi longe de mais e na direcção errada.
Pura e simplesmente, ignorei-o.

João André Escórcio disse...

Obrigado pelo seu comentário.
Pois, a Língua evolui, mas o que se verificou foi a sua adulteração científica. Em casa falo muito sobre este assunto, porque sou casado com uma especialista desta área. E, tal como disse, foram de mais.

António Trancoso disse...

Caro Amigo
Muito obrigado por ter colocado neste seu espaço a magnífica intervenção da COLEGA Maria do Carmo Vieira. Subscrevo, palavra por palavra, tudo o que esta Portuguesa disse. Por mim, como, repetidamente, tenho assumido,vou continuar a "escrevinhar" na tentativa de respeitar esse valor maior da nossa identidade. Passarei,voluntariamente,à condição de analfabeto...
Que o seja. Antes isso que o de Vendido Traidor!

João André Escórcio disse...

Caríssimo Amigo,
Nem sabe como me souberam as suas palavras. Estamos entregues a uma corja de analfabetos altifalantes.
Um abraço.