domingo, 18 de agosto de 2013

DÁ QUE PENSAR


"Hoje a situação, em termos de carga humana e urbana, é preocupante, a mancha de óleo continua a crescer e a cortina verde a recuar. A meu ver, as medidas mais urgentes a pôr no terreno devem ser: conter a expansão, continuar o trabalho de reabilitação e requalificação, um banco de solos alternativo, acelerar o plano de reconversão florestal da cortina verde da cidade para uma floresta endémica, elaborar a Carta de Riscos contra incêndios e colocar a zona numa moratória de, pelo menos, cinco anos. Ao mesmo tempo, é preciso ver que numa zona com aquela orografia e características, o desenvolvimento do fogo, depois de deflagrado, é muito imprevisível, daí que a aposta na prevenção/limpeza, vigilância educação, etc, é uma questão decisiva para evitar males maiores, como felizmente não aconteceu nesta noite. Apliquemos os milhões da Cota 500, via megalómana e inútil, nestes planos".


Li na página de facebook do Engº Danilo Matos, um texto que deveria ser do conhecimento de muitos que por aí vão fazendo de conta que governam. Transcrevo-o pela sua importância. 
"Nos últimos três anos, o Funchal viveu situações extremamente dramáticas. Em 2010 com a aluvião e os incêndios nas serras e no Parque Ecológico e, em 2011, com os incêndios na Boa Nova e no Palheiro Ferreiro. Há governantes que continuam a acusar a Justiça e os pirómanos, porque querem esconder as causas; com isso temos de concordar que os verdadeiros pirómanos são eles. Em termos genéricos, as causas mais profundas estão na falta de um verdadeiro ordenamento do território. Em termos mais concretos temos de olhar para o anfiteatro da cidade de forma muito diferente.Temos de classificar as Zonas Altas e a Cortina Verde como Zonas de Risco, com tudo o que isso acarreta em termos de gestão urbanística. Julgo que um olhar sério sobre o que se passou esta noite leva-nos a essa necessidade,sob pena de virmos a assistir no futuro a situações gravíssimas. Em 1984 , como técnico da CMF, fiz parte de um gabinete, coordenado pelo Arqº Rafael Botelho, pai do anterior Plano Director da Cidade, onde analisámos, com base num inquérito local, a situação das Zonas Altas. Propusemos: conter a mancha de óleo urbana que subia o anfiteatro, requalificar a zona e criar um banco de solos para servir de alternativa a quem desejasse construir. Era preciso conter e requalificar aquela construção espontânea, que teve, como sabemos, alguns aspectos positivos no pós 25 de Abril. As medidas ficaram no papel e, mais tarde. em 1997, o PDM retomou-as e definiu um cordão limite de ocupação urbana , bem com uma série de propostas para a cortina verde da cidade. Nada disto foi feito e a Câmara, pelo contrário, continuou a facilitar, inclusive, elaborando projectos para os munícipes. Hoje a situação, em termos de carga humana e urbana, é preocupante, a mancha de óleo continua a crescer e a cortina verde a recuar. A meu ver, as medidas mais urgentes a pôr no terreno devem ser: conter a expansão, continuar o trabalho de reabilitação e requalificação, um banco de solos alternativo, acelerar o plano de reconversão florestal da cortina verde da cidade para uma floresta endémica, elaborar a Carta de Riscos contra incêndios e colocar a zona numa moratória de, pelo menos, cinco anos. Ao mesmo tempo, é preciso ver que numa zona com aquela orografia e características, o desenvolvimento do fogo, depois de deflagrado, é muito imprevisível, daí que a aposta na prevenção/limpeza, vigilância educação, etc, é uma questão decisiva para evitar males maiores, como felizmente não aconteceu nesta noite. Apliquemos os milhões da Cota 500, via megalómana e inútil, nestes planos. Os residentes nas Zonas Altas e no Funchal merecem. Finalmente, um pequeno pormenor, como é que, depois de declarado o Alerta Amarelo, a Protecção Civil não impediu o lançamento de foguetes no arraial do Monte, será que isso não tem a ver com o incêndio?

O MEU COMENTÁRIO


Assino por baixo. O drama é o Funchal e, de resto, toda a Região, infelizmente, ter sido bom pasto para os vários interesses em jogo por uma trupe que não olhou a meios para atingir os seus fins. E hoje o Funchal passou a ser também pasto mas de chamas favorecidas pelo sensível desordenamento. Qualquer pessoa, a partir do teu texto percebe que, em primeiro lugar, os espaços devem ser ordenados e infraestruturados e, só depois, devem surgir as habitações. Daí a tal necessidade de um grande banco de solos. Fizeram ao contrário, permitiram o crescimento, inclusive, o de natureza espontânea, fechando os olhos ao não autorizado, depois, viram-se na contingência de ter de levar a estrada, o saneamento, a energia eléctrica, a água e a recolha de resíduos. Tudo ao contrário. Natural, portanto, que venham agora pedir para as pessoas não estacionarem as viaturas para os veículos pesados dos bombeiros passarem. Não culpo as pessoas que procuraram resolver a sua situação habitacional, muitos com enormes sacrifícios, não perdoo aqueles que não souberam ter uma leitura correcta do espaço territorial. Por motivações diversas, inclusive, eleitorais, deixaram aquilo lá por cima sem regras e, cá em baixo, dividiram a cidade em coutadas de interesse. Entretanto, atacaram tudo e todos, engenheiros, arquitectos, professores universitários, organizações de defesa do ambiente, todos levaram de forma contundente com a palavra perversa que escondia outros interesses. Assisti à luta semanal, extremamente difícil, de tua Mulher Violante Saramago Matos quando comigo fomos vereadores na Câmara do Funchal, na sua atitude propositiva e de permanente chamada de atenção para as questões do ordenamento, do planeamento e para a capacidade de saber dizer não, mas apresentando alternativas. De que valeu ou de que tem valido essa luta de tantos, neste caso, por um Funchal de crescimento sustentável e de desenvolvimento assente em pressupostos adequados àquilo que um dia sugeriste: uma cidade atlântica, europeia e turística. E o problema é que muitos se agacharam e hoje aparecem aí a querer disputar lideranças diversas quando, por mais que abramos os olhos não descortinamos as diferenças. Quando, depois do que se passou na zona do Lido (toda a Estrada Monumental e toda aquela pavorosa densidade) o presidente do governo veio dizer que havia que sacrificar uma zona... foi aquela... ponto final, penso que está tudo dito. Nem ele nem outros foram capazes de perceber que aquela deveria ser uma zona de excelência. Quem permite o que ali foi construído, poderia e deveria ter, primeiro, estudado, ordenado, planeado e só depois autorizado no sentido da excelência. Se pensaram assim para uma zona tão sensível, pergunto, iriam ter posições estruturantes para as zonas altas? Estamos a pagar os erros e esses erros tornam-se genericamente mais visíveis quando se dão os desastres. De facto, Danilo, DÁ QUE PENSAR.
Ilustração: Arquivo próprio.

Sem comentários: