sexta-feira, 6 de maio de 2016

SEM ABRIGO UM PROBLEMA COMPLEXO, MAS QUE EXIGE RÁPIDA SOLUÇÃO


Continuam por aí "ao Deus dará". Abrigados em vãos e entradas, ao frio, munidos daquilo que consideram essencial. Valem-lhes a missão de algumas organizações exemplares que lhes fazem chegar o alimento. Um drama. Basta que, por momentos, cerremos os olhos e interiorizemos as vicissitudes de uma situação daquelas. 


Trata-se, obviamente, de um problema extremamente complexo dadas as diversas e profundas causas. Mas nada que não tenha solução no quadro de um humanismo que deveria pautar os serviços públicos. Volta e meia ouve-se a voz política que promete, mas o tempo passa e as soluções que esbatam ou acabem com esta tragédia não surgem. Dói. E dói, ainda mais, quando vemos tanto desperdício, tanto dinheiro gasto no supérfluo e tanta propaganda inconsequente dos "Assuntos Sociais". A população, em geral, é solidária e demonstra isso nos peditórios e na sistemática recolha de alimentos. Quanto aos poderes públicos, esses, têm muito que se lhe diga. "Deus dará" não é solução. "Tenha paciência", ainda pior!
Vídeo DN, AQUI.

2 comentários:

Anónimo disse...

Absolutamente de acordo.A complexidade inegável do problema, deveria potenciar a vontade e a acção urgente, de iniciar caminhos de dignificação de cada uma dessas pessoas.Caminhos, por certo, igualmente complexos, por que envolvendo muito mais, que a visível condição de sem abrigo.A inclusão e os assuntos sociais? Inclusão? Que fazem os poderes públicos? Que parcerias, autênticas e empenhadas, se procuram? Na verdade dói,ver o desperdício, a propaganda sistemática de tanta coisa pouca,o permanente esquecimento do essencial em detrimento do acessório.

João André Escórcio disse...

Obrigado pelo seu comentário.
Nem mais.