domingo, 1 de setembro de 2013

DR. BRUNO PEREIRA, O QUE É UMA CAMPANHA ALEGRE E COLORIDA? SERÁ DIVERTIR-SE COM O DESASTRE SOCIAL?


Dr. Bruno Pereira, senhor candidato, não podemos brincar com coisas que são muito sérias. O momento não é de funeral no sentido que o termo significa, mas é de ruptura com o passado para que possamos todos, todos os madeirenses e portosantenses, sobreviver e reganhar a Autonomia perdida. Mas se falarmos de funeral sempre digo que os cangalheiros da nossa sociedade, os cangalheiros da economia, das finanças, do desemprego e da pobreza estão perfeitamente identificados. Por isso, não se pode ser "alegre e colorido" numa campanha quando o momento é de falar sério, sem papas na língua e desmascarando quem aqui nos trouxe. O padrinho e os afilhados políticos da tal "Madeira Nova". E pergunto: como alguém pode falar sério e de forma credível se pertence ao grupo que conduziu a Madeira à falência? Como alguém pode falar de um programa eleitoral "realista" se o seu histórico é de megalomanias que conduziu a Madeira à dupla austeridade? Como alguém pode dizer ser necessário "trabalho, trabalho, trabalho... ninguém faz nada sem trabalho", quando os eleitores olham para trás e sentem que, com tanto trabalho alegadamente feito, existem milhares no desespero do desemprego? Que estranha contradição!


Disse o candidato Bruno Pereira: "(...) Não estamos a concorrer para um funeral ou uma cerimónia", pelo que a campanha tem de ser feita de forma "alegre e colorida e não em tons dramáticos". Perante o dramatismo da situação regional, sinceramente, não sei o que é uma campanha alegre, colorida e festiva, certamente! Não sei. Isto faz-me lembrar um pouco o antigo hino da Mocidade Portuguesa do regime anterior a 1974, que sublinhava: "Lá vamos, cantando e rindo, levados, levados, sim (...)". Mais tarde, já adultos e compreendendo toda a marosca, nós dizíamos: levados, levados... e de que maneira! 
Dr. Bruno Pereira, senhor candidato, não podemos brincar com coisas que são muito sérias. O momento não é de funeral no sentido que o termo significa, mas é de ruptura com o passado para que possamos todos, todos os madeirenses e portosantenses, sobreviver e reganhar a Autonomia perdida. Mas se falarmos de funeral sempre digo que os cangalheiros da nossa sociedade, os cangalheiros da economia, das finanças, do desemprego e da pobreza estão perfeitamente identificados. Por isso, não se pode ser "alegre e colorido" numa campanha quando o momento é de falar sério, sem papas na língua e desmascarando quem aqui nos trouxe. O padrinho e os afilhados políticos. E pergunto: como alguém pode falar sério e de forma credível se pertence ao grupo que conduziu a Madeira à falência? Como alguém pode falar de um programa eleitoral "realista" se o seu histórico é de megalomanias que conduziu a Madeira à dupla austeridade? Como alguém pode dizer ser necessário "trabalho, trabalho, trabalho. Ninguém faz nada sem trabalho", quando os eleitores olham para trás e sentem que, com tanto trabalho alegadamente feito, existem milhares no desespero do desemprego? Que estranha contradição!
A talhe de foice, confesso, disse ontem palavrão quando ouvi o vice-presidente do governo destacar, na inauguração de uma rua em S. Cruz que "só a cooperação entre a Câmara e o Governo nesta altura de grandes dificuldades, possibilitou que, com sucesso, satisfizéssemos esta reivindicação da Câmara". Isto é, uma vez mais, a ameaça subtil ao jeito, senhores eleitores vejam lá em quem votam, porque só câmara e governo da mesma cor política possibilita a realização de obras. Uma vice-presidência que desgraçou a Madeira com as Sociedades de Desenvolvimento, as quais, muito rapidamente, se tornaram em sociedades de endividamento, teima em não olhar-se ao espelho. Que estranha forma de interpretar a democracia! Que forma hábil de fazer política através do medo! Só pode haver uma solução para quem assim se comporta na vida política: MUDANÇA.
Ilustração: Google Imagens.

Sem comentários: