quarta-feira, 13 de agosto de 2014

"O BES E O PINGO QUE NÃO PINGA"


Não será preciso muito para se chegar à conclusão de que a culpa é do Governo e que tudo o resto, se não é paisagem, é quase. Ou, melhor, que a culpa é do Governo e das instituições políticas europeias. Ou, ainda melhor, que a culpa é de uma ideia que ainda governa parte da Europa e, em particular, este desgraçado país. 


E essa ideia tem uma origem e um nome, bem mostrados no vídeo publicado no post anterior a este. A origem está nos tempos de Bush II e o nome é trickle down economics (a economia do pingo). Trata-se da tese segundo a qual os grandes devem ter tudo pois, ao terem tudo, deixam pingar recursos para baixo, para o resto da economia. Se não forem tributados, se puderem amassar o máximo de massa possível, acumularão recursos que depois serão largados na economia. Uma ideia com tudo de falso, que esteve nas mentes da troika e do governo por ela assessorado, e que permitiu a Ricardo Salgado andar de um lado para outro sem que ninguém o incomodasse. É importante notar que essa ideia tem muitos apoiantes entre jornalistas, "economistas" (as aspas é que nem todos o são, verdadeiramente) e fazedores de opinião. A guerra civil entre privado e Estado, por essa gente alimentada, é um dos seus reflexos. Portugal precisa de mais senso, e mais senso passa por pôr a malta do dinheiro no seu devido lugar. Os bem comportados agradecem. Coisa que só os governos podem fazer e em que o presente Governo português, escondido, claramente, não está interessado. Para resolver o problema de fundo será preciso expulsar aquela brilhante ideia. Para tal, aconselham-se, talvez, reuniões estratégicas nos locais de trabalho por ela mais afectados.
Ilustração: Google Imagens.
Nota: retirado do blogue do Doutor Pedro Lains. (aqui)

Sem comentários: