quarta-feira, 4 de maio de 2016

CONTRASTES DE UMA POLÍTICA, ONDE AS IMAGENS VALEM MAIS QUE AS PALAVRAS ESCRITAS


Está a decorrer, na Madeira, na piscina de dimensões olímpicas da Penteada (Funchal) o Campeonato da Europa de Natação Adaptada. Um evento de relevante importância e, pelo que me tenho apercebido, com excelente organização. 
Entretanto, cá dentro, algumas das piscinas espalhadas pela Região, por variadíssimas razões, continuam envoltas em polémica. Uma que, há vários anos, não funciona, é a da Escola Dr. Ângelo Augusto da Silva. Taparam os vidros e transformaram-na em arrecadação de equipamentos diversos. Isto em um estabelecimento de ensino com largas centenas de alunos e que poderia constituir um benefício no quadro da oferta pedagógica e, ainda, no quadro de importantes receitas financeiras para o clube daquela escola. Do orçamento regional continuam a sair avultados milhões para as sociedades anónimas desportivas e não há margem mínima para recuperar uma instalação onde a Região viu nascer tantos campeões nacionais, internacionais e até um olímpico! Espantoso! 
A Madeira conseguiu organizar um Campeonato da Europa e deseja realizar o Mundial, mas despreza os jovens que vivem cá dentro. Do meu ponto de vista, ambas as situações são compagináveis, todavia, primeiro, deveria estar a natação educativa escolar, o desporto escolar e o desporto federado local. Enfim...
Ilustração: Arquivo próprio.

3 comentários:

Nuno disse...

Aprendi a nadar na Piscina da Levada no início dos anos 90. É com grande desgosto que vejo esta imagem e tomo conhecimento do destino dado à piscina da Levada. Boas memórias.

Gonçalo disse...

Esta piscina já tem mais de 30 anos e tem problemas estruturais grandes e naturais pela sua idade. Há piscinas mais que suficientes na RAM o que obriga a um estudo sério sobre os investimentos necessários neste espaço. Pelo que, não sendo necessárias mais piscinas, as verbas que possam ser disponibilizadas devem ser direccionados para que este espaço seja renovado, para outra actividade desportiva, escolar, etc. Provavelmente para criar uma casa para o Ténis de Mesa, modalidade que tantas alegrias nos dá e que não tem um espaço oficina condigno para trabalhar.

João André Escórcio disse...

Obrigado pelo seu comentário.
O problema não me parece que seja o facto de ter 30 anos de actividade. O problema designa-se por manutenção atempada. Coisa que não me parece ter sido feita. E tanto assim é que outras por aí seguem o mesmo caminho. Oxalá esteja eu enganado!