sábado, 8 de dezembro de 2018

Paris a arder ou uma Europa em cacos?


A minha Amiga Doutora Ana Benavente, que foi secretária de Estado da Educação, tem, na fotografia da página do facebook, uma tarja onde se pode ler "Quem semeia guerras colhe refugiados". O essencial desta frase, com algum jogo nas palavras, pode aplicar-se a tantas situações. Relativamente aos acontecimentos de Paris, de Bruxelas e de outros desencantos por toda a Europa, poderia dizer-se: quem semeia a injustiça social colhe coletes amarelos. É isto. 


Não sou especialista em assuntos europeus, mas não sou nem cego nem surdo! A televisão traz-nos as imagens e o relato do desconforto das populações. Daí a minha interrogação: Paris está a arder ou a Europa está em cacos? Paris e Bruxelas, e aqui vamos, é a consequência de políticas que atentam contra a dignidade dos povos. Neste processo, os directórios europeus andam, sorrateiramente, calados, quando as suas cristas ficam bem empinadas para impor as famigeradas regras constantes dos Tratados. Como disse o banqueiro, lá pensarão... "ai aguentam, aguentam"! Só que, por aí fora, crescem os movimentos contra a agressão aos direitos mais elementares que espezinham os trabalhadores, enquanto florescem as riquezas, muitas mal explicadas ou fruto do favorecimento. Podem colocar 90.000 polícias na rua, podem lançar gaz lacrimogéneo, canhões de água, podem fazer centenas de detenções, podem punir a voz do povo, porém, estou certo que não conseguirão travar esta onda de coletes amarelos, que é muito mais profunda do que o preço dos combustíveis. Nesta luta, o único aspecto condenável é a violência e a destruição. Tenhamos presente que apesar de ser condenável ela é consequência de quem, desde há muito, anda a semear a injustiça social. E, repito,

Quem semeia a injustiça social colhe coletes amarelos!

Em qualquer sector, não há um passo político que não seja antes questionado se o mesmo é ou não apadrinhado pelas instituições europeias, em uma claríssima perda da própria vontade dos povos, dos seus governos e das identidades nacionais. Há um inaceitável espartilho que os senhores desta Europa impõem contrária aos interesses comunitários. De uma Europa dos povos, vivemos hoje em uma Europa de alguns. Da Europa da livre circulação de pessoas e bens e da Europa unida pela paz, caminhamos para uma Europa desavinda, de progressivo afastamento (atentemos no Brexit) e até de "afrontamento" cuja posição italiana relativamente ao seu Orçamento de Estado, constitui uma inequívoca demonstração de que ela já não corresponde aos interesses dos países e, portanto, dos seus povos.
Enquanto cidadão português e europeu, desejo uma Europa dos cidadãos, uma Europa das Regiões, uma Europa que respeite as identidades nacionais, uma Europa de paz, de solidariedade entre os povos e de irmandade entre as nações. Desejo uma Europa de justiça social. Rejeito uma Europa subordinada a directórios políticos que impõem vontades políticas minoritárias, desrespeitosa da vontade dos países, uma Europa que divide o bolo para o qual todos contribuem, mas, logo a seguir, com paradoxal decência, oprime. Desejo uma Europa construída para o bem-estar, rejeito uma Europa que aqui venha ditar o que eles querem que nós sejamos.
Ilustração: Google Imagens.

Sem comentários: