sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

POR UMA NOVA ORDEM MUNDIAL


O FMI sublinhou que os portugueses gastam mais do que podem. O consumo acima das possibilidades estrangula as possibilidades de investimento, dizem. A cantilena dos últimos anos que, de tanto a repetirem, acaba por tornar a mentira em dúvida e, depois, verdade. Muitos não vão nesse jogo, sujo e obsceno que apenas interessa a uns poucos no plano dos seus interesses. Deixo aqui um excerto de um artigo de Miguel Pimentel, publicado no PÚBLICO: "As questões sobre a desigualdade na distribuição da riqueza no mundo são conhecidas mas a frieza dos números dá-nos uma perspectiva mais real e dramática deste tema: as 85 pessoas mais ricas acumulam a mesma riqueza que as 3.570 milhões mais pobres, 46% da riqueza do mundo é detida por 1% das famílias mais ricas, 7 em cada 10 pessoas vivem em países onde a desigualdade na distribuição da riqueza se tem agravado nos últimos 30 anos, 1% da população mundial detém 110 biliões de dólares de riqueza (estou a falar na convenção tradicional, são 110 milhões de milhões) que corresponde a 65 vezes a riqueza detida pela metade da população mais pobre, a percentagem de riqueza detida por 1% da população mais rica em relação à restante população tem aumentado em 24 de cada 26 países entre 1980 e 2012, nos Estados Unidos 95% da riqueza gerada com o crescimento pós-crise, desde 2009, foi captada por 1% da população enquanto que 90% da população ficou mais pobre, uma em cada 3 pessoas vive na pobreza". Será necessário fazer um desenho à Senhora Christine Lagarde? Penso que não. Ela sabe que é assim, que os pobres e todos os que sobrevivem à ditadura dos mercados, não são responsáveis pela pouca-vergonha. 

O povo é culpado! Essa é boa!

E quanto a Portugal, os quase três milhões de pobres, mais de um milhão de desempregados (se em conta tivermos a realidade), os 120.000 por ano que estão a emigrar, estes e outros importantes indicadores, serão os responsáveis pela situação portuguesa? 
Os dados são da EAPN Portugal - Rede Europeia Anti-Pobreza: "a nova estratégia Europa 2020 visa reduzir em 25% o número de europeus que vivem abaixo dos limiares nacionais da pobreza, isto é, retirar 20 milhões de pessoas da pobreza. No que respeita a Portugal, a meta definida no âmbito dessa estratégia, nos próximos 10 anos, tem por objectivo  retirar pelo menos 200 mil pessoas em situação de pobreza (Só?). De notar que, de acordo com a nova estratégia Europa 2020, o número de pessoas em risco de pobreza e de exclusão será definido a partir de três indicadores: risco de pobreza, privação material e agregado familiar sem emprego. Segundo o Relatório do Comité de Protecção Social sobre a Europa 2020 verifica-se que uma em cada cinco pessoas na União Europeia encontra-se em risco de pobreza e exclusão social e 40 milhões de pessoas enfrentam a privação severa. Na UE, 25 Milhões de crianças estão em risco de pobreza e exclusão social". Será isto culpa dos pobres porque gastam "mais do que podem"?
Vão mas é dar uma curva! Infelizmente, tal é a ganância e a exploração que a revolta dos pobres pode estar a caminho. É verdade que o dinheiro, hoje, não tem pátria, mas uma nova ordem mundial certamente que será estabelecida e muitos dos que espezinham os povos serão visados e punidos. É uma questão de tempo.
Ilustração: Google Imagens.

Sem comentários: