segunda-feira, 8 de outubro de 2012

GASPAR RIMA COM SALAZAR...


Retive a sua imagem a descer as escadas do prédio, sentar-se por ali de mão estendida à caridade, o regresso a casa, à penosa subida das escadas, ao seu reduto familiar. Porque a pensão de miséria não chega para nada e porque quem é pai ou mãe uma vez é pai e mãe toda a vida. Senti que preservava a imagem da filha e mais valia ser ela a pedir esmola porque aos 99 anos a esperança de vida tende para o limite. Logo a seguir ouço o primeiro-ministro dizer que "sabe para onde vai"! Pois sabe, desde o dia que disse que a população tinha de "empobrecer". Porventura, sabe desde muito antes, quando mandou chumbar o PEC IV, desde as falsas promessas eleitorais compaginadas com o seu posicionamento ideológico onde pouco interessa a população e mais a subserviência às lógicas de um capitalismo selvagem. Sabe que existe uma Merkel e que o País, na sua óptica, deve ajoelhar-se, não deve afrontar e não deve respeitar a sua dignidade histórica.

 
 
Em um dos canais nacionais de televisão, não me recordo qual, segui uma reportagem que me tocou e deixou irritado. Uma senhora, com 99 anos de idade, curvada pelo peso dos anos e das enfermidades, contou, numa breve declaração, a sua história. Estava ali, na rua, pedindo qualquer coisa, umas moedas, a solidariedade de quem passa. Ao fim do dia sempre conseguia amealhar 20 euros, para pagar as despesas de casa. Vivia com a filha, relativamente jovem, desempregada. Disse, ao terminar a peça, com uma voz arrastada pela comoção: "eu já fui feliz, mas agora não sou feliz, porque a minha filha não é feliz". Impressionante, do ponto de vista da sua doação à família e chocante do ponto de vista de um país incapaz de olhar para as assimetrias, para a família, para os idosos e para os dramas sociais. Retive a sua imagem a descer as escadas do prédio, sentar-se por ali de mão estendida à caridade, o regresso a casa, à penosa subida das escadas, ao seu reduto familiar. Porque a pensão de miséria não chega para nada e porque quem é pai ou mãe uma vez é pai e mãe toda a vida. Senti que preservava a imagem da filha e mais valia ser ela a pedir esmola porque, aos 99 anos, a esperança de vida e a imagem pública tendem para o limite.
Logo a seguir ouço o primeiro-ministro dizer que "sabe para onde vai"! Pois sabe, desde o dia que disse que a população tinha de "empobrecer". Porventura, sabe desde muito antes, quando mandou chumbar o PEC IV, desde as falsas promessas eleitorais compaginadas com o seu posicionamento ideológico, onde pouco interessa a população e mais a subserviência às lógicas de um capitalismo selvagem. Sabe que existe uma Merkel e que o País, na sua óptica, deve ajoelhar-se, não deve afrontar e não deve respeitar a sua dignidade histórica. "Pobres mas honrados", salientou António de Oliveira Salazar. A sina continua a ser a mesma, só que a pobreza aumenta e a honra distancia-se. Curiosamente, como li algures, Gaspar rima com Salazar. Portanto, eles sabem para onde caminham e que motivos de base ideológica estão na origem da escolha deste percurso. Penso que se enganam porque o elástico, de tão esticado, está nos limites da ruptura. Ontem, em Espanha, 57 cidades marcharam contra a austeridade e no passado dia 15 de Setembro, mais de um milhão de Portugueses demonstraram o seu descontentamento. E aqui vamos. Quando está aos olhos de todos que este é o caminho do desastre económico e social, só a luta na rua contra esta gente sem pingo de humanidade poderá resultar em esperança.
Entretando caiu-me na caixa de correio um pasquim partidário tal o desaforo nos indecorosos textos nele publicado. Leio na primeira página: "A Madeira tem de continuar a ser governada responsavelmente". E dou comigo a reflectir na palavra "responsavelmente". Um homem que conduziu a Região ao desastre económico e social, que vendeu a Autonomia, que gerou uma legião de pobres e de desempregados, como pode dizer que "A Madeira tem de continuar a ser governada responsavelmente". Ele que foi o lRRESPONSÁVEL mor destes 36 anos de governação, ele que não criou futuro nem soube antecipá-lo que moral tem para falar de responsabilidade?
Ilustração: Google Imagens.

Sem comentários: