terça-feira, 2 de junho de 2015

SERÁS POBRE


"Trabalhes ou estejas desempregado, serás pobre. É esta a mensagem subjacente às transformações que estão a ser feitas, em simultâneo, no mundo do trabalho e na protecção social no desemprego. É esta a sociedade de pobreza, com mais pobres e maior intensidade de pobreza que está a ser construída de forma estrutural, porque o que se passa ao nível das remunerações salariais e da protecção social tem efeitos sobre todo o edifício económico, social e político. Uma sociedade que já era das mais desiguais antes da crise está a tornar-se mais desigual ainda (...)". Este o texto inicial de Sandra Monteiro, publicado na edição de Maio do Le Monde Diplomatique. Passos Coelho que para ganhar o poder prometeu mundos e fundos, assunto, aliás, bem documentado no vídeo do youtube "best of 2010-2011", disse, há quatro anos, que tínhamos de empobrecer. Daí para cá o que tem feito este homem e os que o acompanham, tem sido exactamente isso, a descida da generalidade dos portugueses ao inferno das dificuldades, enquanto crescem os escândalos e as fortunas de uns quantos. 


E ele não desarma, continua na sua obsessão e obediência canina aos grandes interesses de uma corja europeia que prefere a caridade ao desenvolvimento de políticas sérias que garantam o trabalho e os direitos sociais mais elementares. "Trabalhes ou estejas desempregado, serás pobre". A engrenagem está montada, apenas necessita de óleo, de uma apropriada maquilhagem ao mesmo tempo que geram o medo pelo amanhã. A ideia que fica é, em síntese, esta: aproveitam isto, ou nada. Não é por acaso que, por exemplo, na Grécia, já acontece "o desenvolvimento de contratos "zero horas" que obrigam o trabalhador a manter-se à disposição do empregador a qualquer momento do dia em troca de um mínimo garantido de quinze horas pagas por semana e o aumento dos empregos a tempo parcial, que fizeram com que um em cada seis trabalhadores caísse abaixo do limiar de pobreza (...)" - Renaud Lambert, no citado Le Monde Diplomatique. É a lógica, repito, do "Trabalhes ou estejas desempregado, serás pobre".
Passos Coelho e Paulo Portas, claramente protegidos pelo faz-de-conta Presidente da República Cavaco Silva, pouco ralados estão com essa galopante pobreza. A práxis política demonstra-o, inequivocamente. Ainda ontem, no Funchal, os assuntos que preocupam os madeirenses e portosantenses passaram ao lado. A angustiante dívida que estrangula o crescimento e o desenvolvimento, as múltiplas questões da saúde e da educação, as problemas sociais, o alto preço pago pela insularidade,  enfim, o fundamental passou ao lado. A imagem que ficou é que se tratou de uma visita de circunstância, para marcar o ponto, onde nada foi atempadamente preparado para, nesta visita, ser assumido e assinado em definitivo. Muito amadorismo político por aqui e muita fuga às responsabilidades por lá. 
E assim regresso ao início: "trabalhes ou estejas desempregado, serás pobre". É a lógica do regime! 
Ilustração: Google Imagens.

Sem comentários: